quarta-feira, 30 de abril de 2008

Cabo de guerra


Era um cabo de guerra. Ele puxava de um lado e ela de outro. Mediam forças o tempo todo. Eram fortes demais, nunca havia vencedor.
Um dia a bela moça resolveu soltar a corda, ele ganhou, mas ficou ali caído e sentado com a bunda no chão. Não havia agora aquela força que se opunha a sua própria. Foi então que esse rapaz percebeu que aquela jovem já não o queria mais.

6 comentários:

Ela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ela disse...

Uiaaaaaaaa

Quando não tem uma força do lado de lá e a gente nem percebe, é bem triste. Mas as vezes é necessário substituir as forças.


Gostei daqui e tomei a liberdade de linkar vc lá

FINA FLOR disse...

hurruuuuuuuuu, mandou bem ;-)

beijos,

MM.

Eternessências disse...

Gostei daqui! Vou aparecer mais vezes!
Obrigada por sua visita lá no Eternessências!
Rose.

Lola disse...

Boa...

Carol Montone disse...

ótimo!!!!!!simplesmente ótimo!!!!!
beijos saudosos