domingo, 4 de janeiro de 2009

De pique-esconde...


Era uma vez uma menina muito medrosa e que adorava brincar. Sua brincadeira preferida? Esconde-esconde. Escondia-se o tempo todo. Das dores, dos amores, da insegurança, da solidão, das incertezas, da inveja alheia.

O curioso é que essa garotinha sonhava grande. Sonhava em ter o mundo, em ser gente grande, em ser reconhecida, em ser bem amada, em brilhar. Sim, ela sempre gostou de porpurina e paetês. Lembro-me bem seu caminhar em cima de seus saltos agulhas, de seu rosto pintado de desejo.

A pequena garota de certo não nascera para viver a sombra de qualquer que fosse o poste, seu brilho contagiava a quem tinha a sorte de ser chamado de amigo por ela. Mas ali estava. Aquela garotinha que cismava em brincar de esconde- esconde.

Escondeu-se tanto que acabou se escondendo de si mesma. Acabou perdendo o contato com sua musa interior. Escondeu-se da dor mas perdeu a chance de viver uma linda história. Escondeu-se do risco mas acabou por não viver uma grande conquista. Escondeu-se de suas fraquezas e acabou se perdendo.

Um dia, essa garotinha ousou sair da sombra e parar de se esconder. Do fundo daquela caverna já havia se esquecido como a luz da vida é intensa. Capaz de deslumbrar e ao mesmo tempo cegar temporariamente aos que se atrevem a ver um pouco mais que sombras na parede.

Aos poucos, de atrevida que era ela, caminhava. Seus passos sempre para frente, jamais para trás. Caminhou, caminhou. Às vezes sentia-se só, até compreender que ela era sua melhor companhia.

Um dia encontrou uma pedra muito sábia a quem deu ouvidos por horas. A pedra lhe dissera que se ela queria brilhar não podia mais se esconder. Muito resistente, a menina ficou pensando em como nunca mais brincar de esconde-esconde se essa fora sua brincadeira preferida desde criancinha.

Aos poucos a menina tentou, sem nenhuma promessa de conseguir. Tropeçou uma, duas, centenas de vezes. Mas de repente lá estava ela. Não mais verde, agora sua cor era vermelho, assim como o tapete vermelho que a vida gentilmente lhe estendia.

Acabou o esconde- esconde e agora dizem que ela anda por aí divertindo gente e gozando a vida. Dizem que tempo passou e aquela garotinha deu espaço a uma linda mulher. Dizem que em dias de gotas no céu ela ouve música alta e sente a vida toda sua.

5 comentários:

[P] disse...

Acho que a pequena-garotinha-menina-mulher fez bem em abandonar o pique-esconde. Este tipo de brincadeira só serve para nos privar de viver as boas coisas [e, por que não? as ruins, que nos fazem crescer também] da vida, não acha?

Beijos, Luciana.

ps: a "Diva" ainda está no Fim do Mundo. presença de "Diva" é solicitada a todo instante, de modo que, oi? privacidade? ah, deve ser algo que as pessoas misturam nos doces e comem sem querer, sabe? boa volta ao trabalho pro'cê - eu ainda tenho um mês de férias pela frente - e cuide-se por aí. ah, sim, claro, já ia esquecendo: quero relatório completo dos acontecimentos que provavelmente devo ter perdido e, oh!, tenho um bocado de coisas [BOAS!] pra te contar também...

:)

Jana disse...

Agora tem que brincar de pega pega... E correr atras da vida!

Beijos

D'angelo disse...

Meninaaaaaaa!!! Que sucesso seu post!!
Segue uma coisa que lí por aí: Feliz 2009!!!
: )

meus instantes e momentos disse...

ótimo post, parabens.
Muito bom teu blog, desde o perfil até teus textos, Gostei daqui,
Maurizio

Di disse...

A menina-mulher resolveu pegar as rédeas e seguir a vida.

Um ano maravilhoso pra vc tb, querida!