quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Qualquer coisa que se sinta...

Corre, acelera, atropela, dorme. Pouco. Quase não dorme. Não come. Só mais um pouco. Muda um pouco aqui, um pouco acolá. Roda viva. Pronto! Acabou! Game over!
Projeto concluído, mas as olheiras, o cansaço, a dor nas costas ainda não foram concluídas.

Mas e agora? Acho que consigo entender nesse exato momento o que chamam de depressão pós- parto. E agora fica o que? Novos projetos?

Sensação esquisita. Lembrei-me da música da Cássia Eller que diz: “Socorro, não estou sentindo nada. Nem medo, nem calor, nem fogo”. Acho que deve ser por isso que enfrento tamanha dificuldade em colocar um fim nas minhas histórias, medo do vazio da conclusão.

Não que o vazio do dever cumprido não possa ser bom companheiro eu é que não sei lidar com ele mesmo. Faltam palavras, falta sentido, falta sei lá o que.Só sei que falta e faltar foi um verbo riscado do meu dicionário faz algum tempo.

Sempre sobra. Sobram amigos, sobra trabalho, sobra estudo, sobra amor, sobra tesão, sobra correria. Sempre over. Doses cavalares.

Sobra tanto porque não quero nunca falte. Mas que falte o que?

Por que? Pra que? Quando?

E se nada disso tiver resposta? Apatia de novo? Anestesia?

Engraçado como a ausência e o vazio às vezes podem dizer mais do que a correria das palavras.


 Cássia Eller - Socorro

9 comentários:

Ela disse...

"Não que o vazio do dever cumprido não possa ser bom companheiro eu é que não sei lidar com ele mesmo. Faltam palavras, falta sentido, falta sei lá o que.Só sei que falta e faltar foi um verbo riscado do meu dicionário faz algum tempo."

O texto é maravilhoso e inconscientemente você escreveu para a minha história. Mas este fragmento "o vazio do dever cumprido"... me tocou profundamente!

Obrigada por este alento.

Leonardo Werneck disse...

Se o dever foi totalmente cumprido, então não foi game over, né? eu diria que vc chegou ao fim do level...


Beijo

Diego de Leone disse...

Concordo com o Leonardo bebe....
Ta procurando sarna pra se coçar é? rsrs Acho que no dia que você terminar algo e não quiser conquistar outras coisas, ou você tá dormindo ou não acorda nunca mais. rsrs

Cin disse...

Em alguns momentos da vida já senti latente isso q vc está sentindo dentro de mim, por isso te entendo, como entendo...
Bjos flor!

Fernando Costa disse...

Sexta! Dia de DEVOLVE - QUALQUER COISA QUE SE SINTA (entre tantas outras coisas).
Dia de achar o máximo e ter um tempo só meu pra vir aqui te ler. Digo: aprender, fuçar, tentar entender e não entender nada...E é ai que o nada, o nada é quase sempre o conteúdo intrínseco do mto. E não seria mto te pedir uma visita em meu espaço (que está no começo) mas que se tenta dividir o velho gostinho de amar, e amar a quem? E quando? E etc etc etc...Quem sabe, SEXTA responda; Né! Super final de semana e parabéns de verdade por vosso espaço que eu adoro visitar...Sinta-se devidamente abraçada.
Fernando Costa
www.cemporcentodela.blogspot.com

Welker disse...

O fim não pode ser tão ruim. Aquele que não o encara nunca terá capacidade de enfrentar a si mesmo, já que tudo termina onde começa, isto é, se for tudo um ciclo... caso contrário, esqueçamos tudo o que eu disse e voltamos a programação normal.

ana d. disse...

é no silencio que se esconde a revolta, no vazio que se esconde tudo,e é na correria das palavras que a vida se esconde e prospera enquanto o ser humano se aniquila

Di disse...

Eu sinto alívio e satisfação com dever cumprido, não vazio.
beijo

Rafaella Coelho disse...

Lu!
Ainda bem que finalizou, ufa!
Beijosss